quarta-feira, 30 de março de 2011

bilhete de amor a uma geração

as gotam caem menos gotas em mim
em nós.
sou cego em nossas relações,
perfeitos inertes, inférteis
vagos
lágrimas batem secas no chão
não entendo o porquê.
mas sigo tentando,
no solo machucado do meu espírito,
amá-los, amados então.

(por: Laura Fraiz)

4 comentários:

  1. Laura, que lindo.

    Essa mistura de vozes do poema amplia significações, multiplica... a cultura de uma geração.

    Adorei.

    ResponderExcluir
  2. Uau! Fico besta com esses seus poemas, mi amor.

    ResponderExcluir